22 Setembro 2020

Entretenimento

A nova e invulgar tendência de tatuar o céu da boca (palato)

A nossa pele é uma tela que podemos “decorar” como quisermos, sem mais nem menos. Como não há nada escrito sobre o gosto, não há limites nesta arte (para além daqueles estabelecidos pelos próprios tatuadores, que são profissionais e compreendem os riscos melhor do que ninguém).

A “febre” das tatuagens tem aumentado nos últimos anos e é cada vez mais aceite na nossa sociedade; e agora, em meados do Verão em que usamos roupas mais curtas e deixamos mais partes do nosso corpo ao ar livre, é ainda mais fácil encontrar pessoas com tatuagens.

O que está a mudar são as tendências e a moda; havia a moda tribal, o infinito, o ponto e vírgula… E, agora, parece que o que a está na moda é um tipo de tatuagem numa área muito específica do nosso corpo e que não é de todo visível. A última novidade no mundo das tatuagens é tatuar o céu da boca.

Um dos tatuadores é Matteo Masini (@mattattoodimatteomasini), um artista italiano que usa a técnica do handpoke por isso não precisa de uma máquina. Nos seus seis anos de carreira como tatuador, fez 10 tatuagens na boca.

Parece que dói, não é ? Bem, segundo o próprio Matteo, não é nada doloroso.

“As tatuagens no palato demoram geralmente cerca de 20 minutos, dependendo do desenho e do tipo de boca. E, embora todos pensem que dói, o que é compreensível, não é muito doloroso. Eu tentei tatuar as minhas gengivas, que é o mesmo tipo de superfície, e não doeu nada”, diz ele.

O artista confessa que está a receber cada vez mais pedidos de tatuagens no céu da boca, algo que adora porque são muito “bonitas e peculiares”. E se as pessoas derem rédea solta à sua imaginação, o resultado pode ser bastante curioso.

Por exemplo, uma rapariga decidiu fazer uma tatuagem de um pénis para combinar com a tatuagem de tinta branca que tinha no queixo (pode ter uma ideia da cena). Outro jovem queria tatuar o símbolo anarquista, mas não tinha espaço suficiente na boca e optou por tatuar dois peitos. Como o próprio Mateo indica, “quase ninguém” notará que tem aí uma tatuagem. “Excepto o dentista”, é claro.

Outro artista que faz este tipo de tatuagem é o belga Indy Voet, que as faz há cinco anos e desde então tem desenvolvido muito a sua técnica.

“Só uso uma agulha e alguma habilidade combinada com a confiança do meu cliente”, explica, uma vez que usar uma máquina de tatuagem seria demasiado violento numa área tão sensível com tão pouco espaço.

Sobre se estas tatuagens doem, concorda com o artista anterior: 90% das pessoas descrevem-nas como quase indolores ou pelo menos muito fáceis de aguentar. Os restantes 10% têm normalmente dores na mandíbula por manterem a boca aberta durante longos períodos de tempo.

Como é o processo de cura deste tipo de tatuagem? Bem, como explica Voet, como qualquer outra tatuagem ou piercing: “Não beba nada demasiado picante, ou licor forte e tenha cuidado com o que põe na boca durante alguns dias. Fora isso, os recursos naturais da boca fazem o resto.

Estas semanas, com a epidemia de Coronavirus e a boca e o nariz a serem os principais transmissores, estas tatuagens estão um pouco ‘paradas’, mas pode dar uma vista de olhos aos desenhos que fizeram em ‘indyvoet’, quando é seguro fazê-las, dê o passo.

%d bloggers like this: